Investimento

Tecnologia na saúde: empresas precisam criar novas experiências digitais

8 de outubro de 2020 5 min. leitura
tecnologia na saúde

As empresas de saúde precisam criar novas experiências digitais para ajudar seus consumidores a se sentirem mais engajados e informados. A conclusão é de um estudo feito pela Accenture, que aborda a visão da consultoria sobre tecnologia na saúde.

Ao entrevistar 259 executivos do setor de saúde, o levantamento mostra que a maioria deles (85%) acredita que a tecnologia se tornou parte da experiência humana e 45% dizem que os avanços rápidos em novas tecnologias e inovações científicas estão posicionados para criar uma disrupção a área da saúde.

Como a percepção das pessoas e a relação delas com a tecnologia está mudando, é importante, segundo a consultoria, que os fornecedores de serviços de saúde redesenhem as experiências digitais dos consumidores. Nesse sentido, 69% das empresas já estão com iniciativas de inteligência artificial, que vão permitir interações mais fluidas entre humanos e máquinas.

As inovações de saúde com robótica também estão na pauta. Entre os entrevistados, 71% acreditam que a robótica vai viabilizar a próxima geração de serviços de saúde no mundo físico. Ao mesmo tempo, 54% entendem que os funcionários do setor de saúde serão desafiados a aprender como trabalhar com robôs.

As tendências em tecnologia na saúde  

O relatório da Accenture traz algumas tendências na saúde relacionadas à tecnologia:

Ajudar as pessoas a escolherem sua própria jornada de cuidados com a saúde

As pessoas hoje esperam mais de suas experiências digitais. Elas querem se sentir importantes e é como se a empresa de saúde reconhecesse isso e levasse até o consumidor o que ele precisa. Se resume em experiências personalizadas, consumidores empoderados e se preparar para o futuro com as tecnologias disponíveis.

Repensar o cuidado com a saúde através da colaboração entre humanos e inteligência artificial

Trata-se da evolução e crescente importância da inteligência artificial como uma tecnologia fundamental que muda os cuidados de saúde para sempre. Se resume em colaborar (e não só automatizar), levar em conta o contexto, fazendo com que humanos e máquinas trabalhem juntos, e repensar o que se faz hoje.

Gerenciar o “para sempre beta”, com o constante avanço dos dilemas das coisas inteligentes

A noção de propriedade de um produto está mudando radicalmente. Quando as pessoas compram produtos, elas não compram mais o material físico, o produto acabado, mas canais para experiências em evolução. Se resume em entender o que se chama de “beta burden” (ou “carga beta”), considerar como a propriedade das coisas está mudando e se preparar para desenhar uma nova jornada a partir disso.

Aumentar o uso de robôs com responsabilidade

O lançamento de redes 5G e os custos mais baixos de hardware para fazer robótica irão desbloquear oportunidades para todas as indústrias, inclusive no setor de saúde. Nesse sentido, as empresas de saúde enfrentarão novos desafios em torno de investimentos em talentos, coleta de dados e a colaboração máquina-humano. Se resume em se preparar para a introdução de robôs, ampliar o uso de robótica no negócio e olhar para o ecossistema de tecnologia na saúde.

Decodificar oportunidades com o DNA da inovação

O DNA da inovação tem blocos de construção: amadurecimento da tecnologia digital, que está mais comoditizada e acessível; avanços científicos que são discretos, mas profundamente disruptivos; e tecnologias emergentes, como inteligência artificial, realidade aumentada e computação quântica. Se resume a explorar oportunidades de inovação sem precedentes, construir o DNA da inovação da empresa de saúde e criar um motor de inovação.

Ainda que a tecnologia na saúde traga diversos benefícios, há preocupações em torno das inovações.

A maioria (70%) dos consumidores de saúde entrevistados como parte da pesquisa disse estar preocupada com a privacidade dos dados e o rastreamento comercial de suas atividades online, comportamentos, localização e interesses.

Veja também

linhas de crédito
Crédito

Empresas de saúde avaliam novas linhas de crédito na atual crise

A crise causada pelo novo coronavírus afetou, ainda que de forma diferente, todos os setores da economia – e com as empresas de saúde não foi diferente. Segundo uma análise feita pela consultoria KPMG, as farmácias de varejo e online, bem como telemedicina e medicina preventiva, são segmentos com previsão de crescimento no pós-Covid. Já […]
8 de outubro de 2020 3 min. leitura